São Paulo/SP • 11 2787 6432

Lins/SP • 14 3523 7797

Campo Grande/MS • 67 3222 0353

Bancária dispensada próximo da estabilidade pré-aposentadoria será indenizada

23/07/2018 14:58

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve decisão que considerou obstativa a dispensa de uma bancária a menos de três meses de adquirir o direito à estabilidade pré-aposentadoria. O desligamento, depois de mais de 27 anos de serviços prestados ao Itaú Unibanco S. A. e sem nenhuma motivação plausível, frustrou o implemento da condição para o exercício do direito e foi considerado nulo.

A norma coletiva da categoria garantia o direito à estabilidade provisória nos 24 meses imediatamente anteriores à complementação do tempo para aposentadoria proporcional ou integral pela Previdência Social aos empregados que tivessem no mínimo 28 anos de vínculo ininterrupto com o banco. Na reclamação trabalhista, a bancária informou que havia sido empregada do banco durante 27 anos, oito meses e 25 dias, e sustentou que sua dispensa visou impedir que adquirisse a estabilidade, que obrigaria o banco a mantê-la em seus quadros por mais 24 meses.

O banco, em sua defesa, alegou que a empregada não havia preenchido o requisito de 28 anos ininterruptos de trabalho na mesma empresa nem de tempo inferior a 24 meses entre a data da dispensa e a aposentadoria.

O juízo da 2ª Vara do Trabalho de São José dos Campos (SP) determinou a reintegração da bancária, e o Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP) manteve a sentença. Segundo o TRT, a situação da empregada era de plena ciência do Itaú, ficando caracterizada a dispensa obstativa.

O banco tentou trazer a discussão ao TST por meio de agravo de instrumento. Mas o relator, ministro Alberto Bresciani, lembrou que a Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) firmou a compreensão de que se presume obstativa à estabilidade provisória prevista em norma coletiva a dispensa do empregado efetivada até 12 meses antes da aquisição do direito. Citou, ainda, precedentes no mesmo sentido de diversas Turmas do TST. Assim, concluiu ser inviável o processamento do recurso por não estar caracterizada a divergência jurisprudencial, de modo que não foi atendida a exigência prevista no artigo 896, parágrafo 7º, da CLT.

Durante o julgamento, o ministro Mauricio Godinho Delgado destacou  a importância da decisão não apenas em relação à tese genérica da dispensa obstativa, mas também em relação à fixação do prazo de 12 meses.

 

Fonte: Notícias do Tribunal Superior do Trabalho


Veja mais

Justiça reconhece a invalidade da compensação das 7ª e 8ª hora com a Comissão de […]

Ler Notícia

O burnout foi incluído no capítulo de “problemas associados” ao emprego.

Ler Notícia

Justiça anula decisão que condenou bancária a pagar R$ 67,5 mil ao Itaú

Ler Notícia

Benefícios e Vantagens

• Análise e atendimento personalizado realizado pelo advogado principal do escritório.
• Acompanhamento do caso e das audiências por advogado especialista.
• Liberação de acompanhamento do processo on line ao cliente.
• Envio de cópias das peças processuais, sentenças e atas.
• Nota fiscal de todos os serviços para abatimento no Imposto de Renda.
• Seguro contratado de responsabilidade civil profissional.

Saiba Mais

SÃO PAULO/SP: Avenida Paulista, 1.079 - 7º e 8º andar, Bela Vista, São Paulo, 01311-200 - Tel: (11) 2787-6432

LINS/SP: R. Quinze de Novembro, 130, Centro - CEP 16400-035 – Tel: (14) 3523-7797

CAMPO GRANDE/MS: Av. Afonso Pena, 5.723, Sala 1.504, Royal Park,  79031-010 – Tel: (67) 3222-0353


contato@palmaadvogados.com.br | Whatsapp: 11 97323-0106

Layout produzido por Orpit